carteira de dividendos

Saiba como montar sua carteira de dividendos agora mesmo!

Poder viver de renda recorrente e se livrar do estresse financeiro é um dos sonhos de todo investidor brasileiro. Ainda que esse seja um objetivo distante para a maioria das pessoas, é necessário começar de algum lugar. Esse ponto de partida pode ser uma carteira de dividendos bem-montada.

Os dividendos são uma fatia do lucro de uma empresa que é distribuída entre os acionistas de forma proporcional. Portanto, quem tem mais ações da companhia, recebe uma fatia maior desse dinheiro. Para o investidor, aplicar em dividendos é uma forma de ganhar mais com o investimento, já que a ação pode se valorizar e ainda gerar renda recorrente.

Para isso, no entanto, devemos entender como montar uma carteira de dividendos do jeito certo, sem colocar nosso patrimônio em um risco maior do que o natural dessa aplicação, além de potencializar nossos ganhos. Quer saber como fazer isso? Então, siga a leitura do artigo abaixo!

Como funciona uma carteira de dividendos?

Para saber como montar uma boa carteira de dividendos é vital entender como essa estratégia funciona. Na prática, ela consiste em um conjunto de ações escolhidas para gerar renda passiva via distribuição de dividendos para o investidor.

Como já explicado, dividendos são parte dos lucros da empresa que são distribuídos regularmente aos investidores. Esse pagamento pode ser feito trimestralmente, semestralmente ou anualmente.

Montar uma carteira de dividendos é, portanto, escolher ações de empresas que são boas pagadoras de dividendos. Assim, o investidor aumenta as chances de ampliar a lucratividade do seu investimento, ao mesmo tempo que ganha uma renda passiva.

Como montar a sua carteira de dividendos?

Montar uma boa carteira de dividendos não é fácil. Afinal de contas, esse investimento depende muito do sucesso financeiro das empresas escolhidas. Comprar a ação de uma companhia que teve prejuízo, por exemplo, significa não receber nenhum pagamento por causa disso.

Apesar de toda a imprevisibilidade dessa estratégia, existem algumas orientações que ajudam a selecionar os papéis com maior probabilidade de render bons dividendos no longo prazo. Quer saber que dicas são essas? Veja a seguir!

Entenda o conceito de Dividend Yield e Dividend Payout

Quem quer investir em busca de dividendos para gerar renda passiva precisa dominar dois conceitos básicos: o Dividend Yield e o Dividend Payout. Esses dois fatores são muito importantes para comparar empresas e ver qual é a mais interessante para a sua carteira.

O Dividend Yield é a relação entre os dividendos pagos pela companhia e o preço da sua ação na Bolsa de Valores. Portanto, quanto mais DY, maiores serão os dividendos recebidos pelo acionista. Por exemplo, se o papel da empresa é negociado por R$ 100,00 e a empresa pagou R$ 5,00 por ação em dividendos no ano, o Dividend Yield é de 5%.

Já o Dividend Payout é a relação entre os dividendos pagos e o lucro da empresa em um determinado período. Em outras palavras, é a fatia do lucro obtido que foi pago para os acionistas. Quanto maior o DP, mais dinheiro para os investidores. No entanto, quanto maior esse percentual, menos dinheiro fica com a empresa para fazer investimentos para o futuro.

No geral, é muito importante analisar o DY e o DP antes de comprar uma ação. Nem sempre é questão de quanto maiores esses valores, melhor para o investidor. É importante comparar os dados com outros fatores em mente também.

Analise o histórico de pagamento de dividendos

carteira de dividendos

Um desses fatores é o histórico de pagamentos de dividendos. Isso porque não é raro ver empresas pagando DYs enormes para os acionistas. No entanto, isso acontece apenas uma vez a cada muitos anos e de maneira imprevisível.

Para uma boa carteira de dividendos, é importante ter previsibilidade e estabilidade. É preferível, por exemplo, ganhar Dividend Yields de 5% por oito semestres seguidos do que receber 16% em um semestre, mas ficar os próximos três ou quatro sem pagamentos.

Portanto, veja o histórico de pagamentos de dividendos da empresa para analisar o quão sólida ela é. Isso será importante na escolha de papéis no longo prazo.

Priorize empresas com boa gestão

Os dividendos são originados no lucro da empresa. Portanto, quanto melhor a gestão do negócio, maiores as chances de a companhia ter mais estabilidade na distribuição dessa remuneração para os acionistas.

Assim, é importante que o investidor analise os balanços comerciais das empresas para entender de onde vêm seus lucros e como estão seus resultados. Companhias com uma saúde financeira melhor e mais estabilidade são mais propensas a pagar bons dividendos de forma consistente a longo prazo.

Faça a diversificação entre empresas e setores

Diversificar as empresas e os setores é vital para aumentar a segurança da sua carteira de dividendos. Isso garante que seu investimento não ficará dependente demais de uma única companhia ou área da economia nacional.

O ideal é diversificar entre as empresas mais sólidas de cada um dos principais ramos da economia. Normalmente, os seguintes setores apresentam maior estabilidade e histórico de pagamento de dividendos no Brasil:

  • financeiro;
  • energia;
  • saneamento;
  • infraestrutura;
  • saúde.

Invista em empresas com futuro promissor

Gerar renda passiva com uma carteira de dividendos é uma estratégia que dá mais resultados a longo prazo. No entanto, para isso, é importante investir em empresas com grande potencial de crescimento. Afinal, não são apenas os dividendos que devemos acompanhar, mas também as chances daqueles papéis valorizarem.

Normalmente, a lucratividade de um negócio acompanha a sua valorização de longo prazo na Bolsa. Por isso, as empresas de mais sucesso pagam os melhores dividendos e se valorizam mais.

Agora que você já sabe como montar uma carteira de dividendos, o próximo passo é entender se esse tipo de investimento é o ideal para você. Nem todo perfil de investidor é compatível com a compra de ações, mesmo para estratégias de longo prazo. No entanto, se você prefere correr menos riscos, mas ainda assim gerar renda passiva, não precisa se preocupar: os dividendos não são a única forma de conseguir esse objetivo.

Também dá para gerar renda recorrente investindo apenas em Renda Fixa, que é mais segura do que a Variável. Quer saber como? Então, entre em contato com a nossa equipe agora mesmo!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.