fundos de retorno absoluto

Conheça os principais fundos de retorno absoluto e como operam

Apesar de pouco comuns no Brasil, os fundos de retorno absoluto são ferramentas importantes no exterior e gerenciam bilhões de dólares de investidores internacionais de todos os perfis.

Especialmente significativos em momentos de crise ou como ferramenta de proteção de patrimônio, os fundos de retorno absoluto seduzem os investidores com a promessa de crescimentos constantes.

Mas o que são os fundos de retorno absoluto na prática? Será que vale a pena investir neles? Se sim, quais são os melhores fundos do tipo no Brasil atualmente? Se você quer saber as respostas para essas perguntas, siga a leitura deste artigo!

O que são fundos de retorno absoluto?

Os fundos de retorno absoluto são aqueles cuja estratégia principal de investimento visa obter lucros constantes independentemente das principais tendências de mercado da época.

Para alcançar esse objetivo, os fundos de retorno absoluto costumam contar com especialistas em diversas áreas no seu time de gestão, de modo a poder aproveitar oportunidades pontuais enquanto mantêm um foco de longo prazo.

Na prática, isso significa que o fundo de retorno absoluto pode trocar momentaneamente a sua estratégia de curto prazo para aproveitar distorções ou ineficiências do mercado, de modo a alcançar lucro naquele período.

Uma distorção do mercado acontece quando algum ativo, como uma ação, cotação de uma moeda ou indexador econômico, está muito acima ou muito abaixo da expectativa do mercado, seja por qual motivo for.

Quando isso acontece, os fundos de retorno absoluto podem aproveitar o momento para traçar estratégias de modo a conseguir lucro.

Por causa disso, os fundos de retorno absoluto podem trocar os seus ativos com certa frequência, uma vez que o objetivo central é gerar retorno positivo constantemente. Por isso, eles podem investir a maior parte da sua carteira em ações em um dia e, com o tempo, perceber uma oportunidade melhor em LCI e LCA e fazer a troca da carteira sem problemas.

Apesar de focar em obter retornos positivos constantes em curto prazo, os fundos de retorno absoluto fazem isso para alcançar uma rentabilidade maior em longo prazo.

Não é à toa, portanto, que um estudo caracterizou os fundos de retorno absoluto como a melhor opção para o investidor americano entre 1987 e 2007, graças aos resultados de curto prazo obtidos por um longo período.

Quais são as diferença para os fundos de retorno relativo?

Assim como existem os fundos de retorno absoluto, existem também os de retorno relativo, que funcionam com outra lógica.

No caso dos fundos de retorno absoluto, o objetivo da estratégia de investimento é gerar valores positivos de lucro independentemente de qualquer outro fator de comparação no mercado. Se o fundo gerou, digamos, 10% de lucro no fim de um ano, então sua estratégia foi bem sucedida.

Já os fundos de retorno relativo contam com um benchmark para a avaliação. Eles buscam ultrapassar esse indicador e só são bem-sucedidos se conseguem isso. Um benchmark é um índice de referência usado para avaliar se uma estratégia financeira foi bem-sucedida ou não. Os mais comuns são a Taxa Selic, o IPCA e o Ibovespa.

Na prática, mesmo que um fundo de retorno relativo tenha tido crescimento no seu patrimônio em um determinado período, mas sua rentabilidade foi menor do que a do benchmark escolhido, então, sua estratégia não teve sucesso.

Imagine, por exemplo, que um fundo de retorno relativo tem como objetivo render mais do que o Ibovespa, que é o índice que mede o desempenho médio das ações de maior volume negociadas na Bolsa. Seu objetivo é ter um rendimento geral sempre superior ao desempenho do Ibovespa.

Portanto, registra-se o valor do Ibovespa no início da estratégia do fundo para acompanhar o desempenho relativo entre eles. Se o fundo conseguir render mais do que o Ibovespa, então ele é bem-sucedido em sua estratégia. Se não, então precisa mudar, fazer uma nova análise de riscos e retornos potenciais para alcançar essa meta.

Quais são os principais fundos de retorno absoluto?

fundos de retorno absoluto

Agora que já compreendemos o que são fundos de retorno absoluto, como eles funcionam e quais são as diferenças para os de retorno variável, é hora de conhecer alguns exemplos no mercado brasileiro.

Veja a seguir alguns dos principais fundos de retorno absoluto e como eles operam no país!

Occam Retorno Absoluto FIC FIM

Com patrimônio de mais de R$2,4 bilhões e em operação desde 2013, o Occam Retorno Absoluto FIC FIM é um dos principais fundos de retorno absoluto do Brasil.

Como operam? Sua estratégia é multimercado, buscando opções de lucratividade em vários tipos de ativos atualmente. Existe parte do seu portfólio direcionada para ações na Bolsa de Valores do Brasil, mas também em Bolsas no exterior. Além disso, outra parte dos recursos é direcionada para opções de câmbio e juros nacionais e internacionais.

Távola Absoluto FIM

Outro fundo de retorno absoluto de grande destaque no mercado brasileiro é o Távola Absoluto FIM, um fundo multimercado cujo principal foco atualmente está na compra e venda de ações.

Como operam? O fundo é focado em montar uma carteira comprada de ativos (ou seja: comprando ações com perspectiva de crescimento) e outra em vendido. Operar em vendido significa alugar um ativo que se acredita que vai perder valor, vendê-lo e depois recomprá-lo por um preço menor para lucrar com a operação.

A estratégia, portanto, é gerar lucro de longo prazo com a carteira comprada e lucros de curto prazo com as operações vendidas.

A análise de quais ativos adquirir é feita com abordagem fundamentalista (analisando os fundamentos que compõem o preço dos ativos e não a oscilação gráfica) focada nas empresas em si, sem olhar para acontecimentos macroeconômicos do país.

XP Long Term Equity FIC FIM

Montado pela XP Asset, é um fundo de retorno absoluto relativamente recente (só começou a operar em 2019), mas que já conta com excelentes resultados.

Como operam? O fundo se apresenta como multimercado, com foco em obter retorno absoluto constante. Atualmente, a maior parte do seu portfólio está em ações nacionais e internacionais (que é a essência da estratégia), além de algumas opções em câmbio como ferramenta de proteção contra riscos.

Os fundos de retorno absoluto, como pudemos ver, são opções interessantes para os investidores brasileiros com grande capacidade de aplicação, especialmente porque contam com a flexibilidade de explorar distorções do mercado. 

No entanto, é fato que eles não são indicados para qualquer tipo de investidor. É importante conhecer o fundo e a sua estratégia de risco antes de decidir investir seu dinheiro nele.

Se você ficou interessado em investir em fundos de retorno absoluto ou quer conhecer opções que sejam mais indicadas para o seu perfil de investidor, entre em contato com a nossa equipe!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.