investir em debêntures

Como investir em debêntures? Veja o que considerar!

Se você sabe como investir em produtos como Tesouro Direto, CDB e LCA, que tal conhecer um pouco mais sobre mais Debêntures?

Segundo dados da empresa de estatística financeira Economática, o volume alocado em debêntures teve um crescimento de 357% de 2010 até agosto de 2019. E esse número faz realmente muito sentido, tendo em vista que o rendimento desse tipo de papel costuma ser mais atrativo ao investidor do que a renda fixa tradicional

Quer entender melhor o que são debêntures? Então acompanhe os próximos tópicos!

O que são as debêntures de fato?

Imagine que uma empresa de energia quer captar recursos para investir no desenvolvimento, construção e operação de seus projetos para concorrer de forma igualitária com seus concorrentes. Existe a possibilidade desta empresa solicitar um empréstimo em um banco para isso? Claro! Contudo, com a emissão de debêntures a empresa tem a possibilidade de captar um alto volume de recursos de forma estruturada, por prazos mais longos e com taxas mais atrativas para a empresa, quando comparadas com as taxas praticadas pelos bancos privados e públicos.

Portanto, ao investir em debêntures, você emprestaseu dinheiro para que as empresas tenham recursos suficientes para realizar um projeto, pagar dívidas com fornecedores, aumentar o capital próprio, entre outras finalidades. Em contrapartida, você poderá receberá uma rentabilidade acrescida dos juros indicados na emissão das debêntures, conforme cada caso.

Existem tipos diferentes de debêntures?

Em relação à rentabilidade, as debêntures podem ser prefixadas, com taxas de rentabilidade conhecidas no momento doa investimento, ou pós-fixadas, com juros indexados à taxa DI ou IPCA, de forma que só permitirão que os investidores saibam da rentabilidade no vencimento da debênture. Dentre estes dois tipos, o mais comum  é a debênture com rentabilidade atrelada ao IPCA, acrescida de uma taxa pré-fixada, que pode proporcionar rentabilidade acima da inflação.

Do ponto de vista da classificação desse investimento, existem as que contam com a incidência de Imposto de Renda com alíquota regressiva. Assim, quanto maior o tempo que estiver com o ativo, menos Imposto de Renda terá que pagar, conforme tabela regressivo. Contudo, é importante frisar que, nestes casos, o desconto do Imposto de Renda só incide sobre a rentabilidade acumulada e não sobre o valor total investido.

Já as debêntures incentivadas são emitidas quando as empresas querem realizar projetos com a finalidade de implementar melhorias na infraestrutura do país por meio da construção de aeroportos, ampliação de rodovias, transmissão de energia, dentre outras atividades. O governo federal destina incentivos fiscais para essas emissões, ou seja, o investimento em debêntures incentivadas consiste na isenção de Imposto de Renda e do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

O que é preciso considerar antes de investir?

Sabendo que é preciso ficar de olho em tudo quando o assunto é dinheiro, saiba desde já que existem alguns pontos críticos a analisar antes de aplicar seu dinheiro, ok? Antes de investir verifique se seu perfil de investimento é adequado ao produto e Conheça agora alguns dos fatores que podem influenciar sua escolha pela melhor debênture!

O primeiro passo é definir o seu perfil do investidor, conhecido como suitability, que é essencial para que você invista no produto mais adequado para você, de acordo com seus objetivos, sua experiência e a sua tolerância ao risco. Em linhas gerais, o banco analisa suas informações e traça este perfil.

Conheça agora alguns dos fatores que podem influenciar sua escolha pela melhor debênture:

Risco

A primeira questão diz respeito ao risco de crédito, o risco que diz respeito à capacidade seriedade da empresa a quem você emprestou dinheiro de honrar o compromisso firmado, já que as debêntures não são protegidas pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Por isso, é essencial pesquisar no histórico da companhia emissora do título, checar seu balanço patrimonial, os prazos e as notas de classificação (rating) atribuídas pelas principais agências de rating — como Standard & Poor’s e Moody’s.

Além de pesquisar sobre a saúde financeira da empresa, é importante saber que os papéis estão sujeitos aos riscos de mercado e de liquidez, mas o que isso quer dizer?

As debêntures, ao longo de sua vida, estão sujeitas a variação das taxas de juros, e seu valor a mercado pode oscilar de acordo com as condições de mercado do papel, assim como acontece no Tesouro Direto. Esta oscilação é conhecida como risco de mercado. Já o risco de liquidez consiste na situação na qual o investidor não consegue vender o ativo em mercado antes do vencimento do papel. Atualmente, o mercado secundário brasileiro apresenta baixa liquidez para negociações de debêntures, ou seja, os subscritores das debêntures não têm nenhuma garantia de que no futuro terão um mercado líquido em que possam negociar a venda desses títulos, caso queiram optar pelo desinvestimento ou precisem dos recursos.

Os riscos de mercado apontados acima são comuns aos investimentos em debêntures porque o mercado de capitais brasileiro é significativamente menor, menos líquido, mais concentrado e muito mais suscetível a alterações, diferentemente do mercado internacional, por exemplo.

Tributação

Por se tratar de um investimento de renda fixa, as debêntures não incentivadas entram no sistema de alíquota regressiva:

  • até 180 dias (6 meses) = 22,5%;
  • entre 181 a 360 dias (de 6 meses a 1 ano) = 20%;
  • entre 361 a 720 dias (de 1 ano a 2 anos) = 17,5%;
  • acima de 720 dias (mais de 2 anos) = 15%.

É uma tabela que deve ser considerada para qualquer rendimento obtido, incluindo os pagamentos de juros semestrais e anuais. Quanto às debêntures incentivadas, tal forma de alíquota regressiva não se aplica, visto que são  isentas de tributação.

Rentabilidade

Mesmo com a taxa básica de juros a 4,5% ao ano, o investimento em debêntures ainda consegue ser mais bem atrativo em termos de rentabilidade quando em comparação a maioria dos outros papéis de renda fixa tradicionais.

Como investir em debêntures com segurança?

Assim como acontece com o Tesouro Direto, o primeiro passo é ter uma conta em uma instituição autorizada a negociar e custodiar os títulos.

Lembre-se de verificar as condições de cada debênture, analisar os prazos e, principalmente, os riscos.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.