open finance

Entenda o que é Open Finance e quais as suas inovações

Existem várias inovações no mercado financeiro, e uma delas é o Open Finance. Apesar de muita gente ainda desconhecê-lo, o Banco Central (BC) informou que ele substituirá o Open Banking. O que isso muda para você?

Segundo o BC, a ideia é que diferentes instituições passem a integrar esse sistema. Portanto, ele deixará de ser restrito a bancos e fintechs. No entanto, o conceito de sistema bancário aberto seguro e com proteção de dados permanece.

Para entender como é possível chegar a esse equilíbrio e quais são as mudanças dessa atualização, criamos este post. Entenda o que é o novo conceito bancário, suas atualizações e suas vantagens. Boa leitura!

O que é Open Finance?

O Open Finance é um sistema que visa à integração e ao compartilhamento de dados. Anunciado em maio de 2021 pelo BC, ele busca facilitar o acesso ao crédito e a ofertas personalizadas. Portanto, tem o intuito de trazer mais benefícios para correntistas e investidores do mercado financeiro.

Muitas das suas vantagens são derivadas do aumento da competitividade entre os agentes. Afinal, tendo acesso a mais informações dos usuários, é possível oferecer condições melhores. Por exemplo, taxas de juros mais baixas ou facilidade no pagamento.

Assim, o sistema bancário aberto continua com o intuito de oferecer autonomia e controle dos dados. A diferença é a participação mais ativa dos agentes. Com isso, os consumidores, tanto pessoa física quanto jurídica, terão uma experiência mais completa. Além disso, novos modelos de serviços poderão ser ofertados.

Quais são as atualizações que ele traz?

O Open Finance é considerado uma evolução natural do Open Banking. Por isso, o seu funcionamento é similar. O serviço pode ser entendido melhor a partir de um exemplo: imagine que você quer financiar um veículo e sua conta-corrente está no banco Y. Porém, a instituição financeira X tem uma proposta melhor. Nesse caso, você pode indicar o interesse de compartilhar seus dados. Assim, esse banco tem acesso a todas as suas informações de crédito e pode fazer uma análise mais apropriada.

Além disso, o compartilhamento de dados só é realizado com a confirmação do seu interesse. Ou seja, assim que você fizer o pedido, precisará autorizar a operação por meio do aplicativo ou plataforma digital do banco Y, do qual é correntista.

A mesma ideia é aplicada para a contratação de outros produtos e serviços financeiros, como seguros, empréstimos e cartões de crédito. O objetivo é sempre garantir a melhoria da competitividade entre as instituições financeiras para trazer vantagens aos clientes.

Apesar desse sistema ser ainda mais aberto do que o Open Banking, somente instituições financeiras com autorização do BC podem participar do Open Finance. Essa exigência garante a segurança dos usuários.

Dentro desse cenário, as principais atualizações do novo sistema bancário abertosão as que listamos a seguir. Confira!

Compartilhamento de dados

Os clientes têm um controle cada vez maior dos seus dados e podem compartilhá-los, se assim desejarem. Entre as informações que podem passar por esse processo estão as seguintes:

  • básicas de cadastro, como nome, telefone, e-mail, endereço e mais;
  • transacionais, por exemplo, faturamento da empresa, renda, capacidade de compra, perfil de consumo, conta-corrente e outros;
  • relativas a produtos e serviços, como crédito, financiamentos, empréstimos etc.

Para o usuário, essa é a chance de ter uma quantidade maior de ofertas de produtos e serviços financeiros. Para as instituições, representa uma padronização do compartilhamento dos dados. Dessa forma, os processos são mais ágeis e produtivos.

No entanto, também é feito o compartilhamento de serviços. Inclusive, isso tende a trazer ainda mais eficiência para o PIX e outros meios de pagamento. Por exemplo, você faz uma compra em uma loja virtual e informa que deseja pagar com o banco.

O e-commerce envia um pedido de pagamento à instituição financeira e informa os dados de identificação e de quitação do produto. A partir disso, você acessa o internet banking, verifica os dados e aprova a transação.

Relação com a LGPD

Uma preocupação é a segurança dos dados no Open Finance. No entanto, o sistema é regido pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Portanto, quem autoriza o compartilhamento é você. Assim que for negado esse consentimento — o que pode ocorrer a qualquer momento —, o banco não pode mais usar as informações.

Outro detalhe relevante de segurança é a construção do próprio sistema. O Open Finance é estruturado com base no padrão Financial-grade Application Programming Interface (FAPI). Na prática, isso significa que os dados trafegam entre as instituições financeiras de forma totalmente certificada e segura.

Fases do Open Finance

O novo sistema começou a ser implementado em fevereiro de 2021. Apesar disso, seu anúncio oficial foi realizado somente em agosto do mesmo ano. Nesse momento, a primeira e a segunda fases já estavam em andamento. Entenda o que caracteriza cada uma delas:

  • 1ª fase – abertura de dados: iniciada em fevereiro de 2021, fez as instituições financeiras disponibilizarem aos clientes suas informações básicas. Por exemplo, serviços oferecidos e canais de atendimento;
  • 2ª fase – compartilhamento de dados: permitiu que os clientes autorizassem essa transação para receberem ofertas melhores. Inicialmente, essa etapa começaria em 15 de julho. Porém, foi adiada para 13 de agosto. Além disso, foi subdividida em quatro etapas (dados cadastrais, transacionais, de conta e cartão, e da operação de crédito). Assim, foi possível testar o sistema com uma quantidade de usuários menor. Isso facilita a verificação de possíveis inconsistências;
  • 3ª fase – iniciação de pagamento e encaminhamento de proposta de operação de crédito: consiste na integração dos serviços. As operações de pagamento e envio de propostas são realizadas em um ambiente unificado. Ainda é subdividida em quatro estágios (pagamento por PIX, TED e DOC, boleto e com débito em conta). Esse processo deve ser concretizado entre agosto de 2021 e março de 2022;
  • 4ª fase – outros dados de produtos e serviços: está prevista para iniciar em 15 de dezembro. A partir disso, serviços mais complexos serão acrescentados. Por exemplo, previdência, investimentos, câmbio e seguros. Assim, todas as informações dos clientes estarão disponíveis para compartilhamento.

Quais são as diferenças entre Open Finance e Open Banking?

open finance

Ambos têm o propósito de fazer o sistema bancário ser mais aberto. Porém, existem algumas diferenças. A principal é que o Open Banking era voltado somente para bancos e instituições financeiras. Por sua vez, o Open Finance abrange mais agentes do mercado financeiro. Por exemplo:

Assim, o modelo anterior exigia que o consumidor construísse seu o histórico de crédito ao longo do tempo e só o levasse de um banco para outro. Ou seja, havia uma restrição maior, já que os dados ajudariam somente na contratação de financiamentos, empréstimos e cartões de créditos, basicamente.

Com o Open Finance, o histórico pode ser encaminhado para outros agentes do mercado. Portanto, é possível alcançar mais vantagens. Além das já citadas, as ofertas podem ser melhores para seguros e até a realização de uma aplicação financeira. Tudo isso com a garantia e a segurança da LGPD.

Quais são as vantagens do Open Finance?

As explicações deste post já denunciam alguns benefícios oferecidos pelo novo sistema. Entenda melhor como eles são assegurados.

Melhoria das ofertas de produtos e serviços

O compartilhamento de dados permite que as instituições financeiras conheçam melhor seu histórico de crédito. Com isso, conseguem oferecer produtos e serviços personalizados. Eles podem ter taxas de juros mais baixas, condições de pagamento facilitadas e até acesso a novos produtos.

Melhoria da experiência

As instituições financeiras e outros agentes do mercado terão ofertas diferentes, a partir do seu perfil. Com isso, sua experiência melhora, já que os produtos e os serviços atenderão às suas necessidades e preferências.

Proteção dos dados

As suas informações estão asseguradas pela LGPD. Assim, os dados somente serão compartilhados com seu consentimento. Quando quiser, você pode cancelar essa autorização. O controle é todo seu.

Segurança

As instituições participantes do sistema devem cumprir as regras da LGPD e também os requisitos exigidos pelo BC. Assim, o processamento dos dados é totalmente supervisionado pela entidade financeira para assegurar o sigilo bancário.

Em suma, o Open Finance é uma evolução, porque permitirá que você acesse mais produtos e serviços personalizados. Desse modo, há mais benefícios e taxas mais atrativas. Tudo com o máximo de segurança.

Agora que você entendeu o que esse termo significa, que tal ajudar outras pessoas a conhecerem o funcionamento desse sistema? É só compartilhar este texto nas suas redes sociais!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.