câmbio

Entenda agora qual o papel do câmbio na economia e em seus investimentos

Você com certeza já presenciou conversas sobre a alta do dólar e como isso afeta os preços de diversos produtos que consumimos, não é? Mas você sabe por que isso acontece? Tudo está relacionado à taxa de câmbio.

Entender a maneira como os países se relacionam comercialmente é fundamental para esclarecer diversos aspectos da economia interna e externa, e o câmbio é o reflexo dessas relações.

Neste conteúdo, você vai aprender os principais detalhes da variação de preços de uma moeda e como isso impacta a vida das pessoas e das empresas. Então, continue a leitura para descobrir o que é câmbio, como ele é calculado, porque oscila e de que maneira sua variação interfere na dinâmica dos mercados. Confira!

O que é o câmbio?

Um princípio básico da nossa relação de trocas livres estabelece que os agentes dessa relação se satisfaçam mutuamente. Ou seja, geralmente, quando fazemos uma oferta de valor, esperamos receber uma contraparte que seja igualmente valiosa. Grosso modo, essa é a definição de comércio.

Hoje, em uma sociedade sofisticada como a nossa, é quase impossível falar de uma relação comercial completamente local. Os mercados se misturam no mundo, e uns precisam dos outros para, juntos, sustentarem a complexa dinâmica de trocas que conhecemos.

Porém, um dos elementos dessa relação entre mercados é a moeda, principal símbolo da soberania de uma nação. E o que acontece quando a relação desses mercados acontece entre países diferentes? Suas moedas disputam valor. A isso, damos o nome de câmbio.

O câmbio, portanto, se trata da diferença de valores das moedas em uma relação comercial entre países. Essa diferença é determinante para uma série de contextos econômicos, principalmente para o fluxo de importação e exportação de mercadorias.

Quais os principais regimes cambiais?

Como a taxa de câmbio estabelece muitas condições do posicionamento econômico de um país, naturalmente os governos decidem como lidar com o mercado de divisas por meio de regimes cambiais.

Afinal, a moeda é, entre outras coisas, um produto de troca, e cada sistema define suas próprias regras de negociação de moedas (ou divisas). No Brasil, adotamos o sistema de câmbio flutuante administrado, mas existem alternativas de controle.

Câmbio fixo

No regime cambial fixo, a autoridade econômica do governo estipula a relação de valor entre as moedas. Ou seja, é o governo quem define quanto uma unidade monetária estrangeira vale em unidades monetárias locais.

Câmbio Híbrido ou Atrelado

O regime cambial híbrido, também chamado de câmbio atrelado, é um meio-termo entre o regime fixo e flutuante. Basicamente, nesse regime a autoridade econômica do país determina as margens de flutuação da taxa, e toma providências de regulação quando a variação ultrapassa os limites estabelecidos.

Câmbio Flutuante

No regime flutuante, a autoridade econômica permite que o câmbio seja determinado livremente pela lei de oferta e procura. No entanto, alguma interferência ainda é possível, mas não de maneira direta.

É o caso do Brasil, que busca administrar a flutuação da taxa de câmbio do dólar a partir do controle do custo do crédito nacional (Selic) ou pela compra e venda de moedas no mercado financeiro.

Como o câmbio impacta a economia?

Existem muitos fatores econômicos que impactam a vida das pessoas e empresas, afetando seu poder aquisitivo e sua capacidade produtiva. A taxa de câmbio sem dúvidas é um desses fatores.

Como falamos, nossa relação social é extremamente complexa, o que dificulta considerar mercados totalmente locais. Até mesmo uma feirinha de artesanato de um povo mais isolado depende de insumos importados ou negocia com turistas que trazem outras moedas. Tudo isso dinamiza a relação dos mercados e contribui com a variação do câmbio.

câmbio

Impacto na balança comercial

Essa ampla relação de mercados pode ser acompanhada pela balança comercial de um país, a partir de documentos oficiais. Assim, é possível avaliar como as taxas de câmbio afetam os diversos segmentos da economia, orientando o consumo e a produção nacional.

Naturalmente, algumas áreas são mais impactadas do que outras, pois certos produtos e serviços dependem de maior relação com o exterior, como é o caso das indústrias:

  • automotiva;
  • aeronáutica;
  • farmacêutica;
  • de eletrônicos etc.

Inflação

O câmbio também é um dos fatores que impactam a inflação. Quando o dólar fica mais caro em relação ao real, por exemplo, tendemos a diminuir o fluxo de importações e passamos a vender mais mercadorias para o exterior.

Isso leva a uma escassez dos nossos próprios produtos, o que aumenta a demanda interna e tende a elevar os preços. Soma-se ainda a esse cenário o fato de que a importação também passa a ter um custo maior, encarecendo ainda mais certos produtos.

Geralmente, isso é seguido também por um aumento do custo do crédito, quando o Governo Federal decide conter a alta da inflação elevando as taxas básicas de juros.

Investimentos

Você entendeu que o câmbio afeta as importações, exportações, inflação e a taxa básica de juros. Isso significa que, independentemente da escolha de investimentos que você faça, é importante considerar a variação cambial para tomar decisões alinhadas com seus objetivos.

Afinal, você pode construir um portfólio com diversos propósitos. Se você tem um perfil de investimento mais conservador, a renda fixa é afetada pelo dólar quando o câmbio aumenta a inflação, por exemplo.

Por outro lado, se você possui ações de empresas que vendem para o exterior, a alta do dólar pode significar oportunidade de ganhos. Portanto, a taxa de câmbio permite elaborar estratégias que preservem seu capital e aumentem seu patrimônio.

Como o câmbio afeta as empresas?

A variação do câmbio afeta a população de um país porque interfere no seu poder aquisitivo. Mas isso acontece principalmente porque as empresas têm que absorver e se adaptar à oscilação de valores entre as moedas.

Afinal, são as empresas que organizam recursos e produzem riqueza para sustentar sua estrutura e expandir os negócios. Isso passa, logicamente, pelo investimento em capital humano. Logo, se as empresas têm dificuldades de gerar renda, isso necessariamente significa que algumas famílias passam a ter dificuldade de gerar renda.

Esse efeito é escalável e todo o sistema econômico sente. É desse movimento que surgem instantes de crise e de prosperidade. Dependendo da natureza de uma empresa, a elevação do câmbio pode favorecer ou dificultar suas atividades. 

Como vimos, o câmbio, quando elevado, pode tornar insumos mais caros, mas também pode aumentar a receita de uma empresa que tenha negócios principalmente no exterior.

Quais tipos de câmbio são oferecidos pelo Banco ABC Brasil?

No Brasil, a compra e venda de moeda estrangeira só pode ser feita por instituições autorizadas pelo Banco Central. Por isso a negociação de moedas tem condições específicas.

O Banco ABC Brasil têm as soluções ideais para quem mantém relações comerciais no exterior, abrangendo:

  • importação;
  • exportação;
  • ingresso;
  • e remessa.

Quer saber mais como sobre negociar com clientes estrangeiros de maneira simples e segura? Então, conheça todas as soluções de câmbio que o Banco ABC Brasil tem para você. Entre em contato conosco e confira!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.