parcelamento do cartão de crédito

Parcelamento do cartão de crédito: solução ou armadilha?

O parcelamento do cartão de crédito é uma alternativa disponível para os clientes que não conseguem, no momento, pagar toda a fatura do mês. No entanto, será que essa é a melhor solução disponível para os consumidores?

Afinal, é fato que o cartão de crédito pode ser uma ferramenta positiva, mas pode também ser uma armadilha financeira para as pessoas. Para se ter uma ideia, cerca de 8 em cada 10 brasileiros têm dívidas no cartão de crédito.

Se você não vai conseguir pagar a fatura desse mês, está na hora de entender se o parcelamento do cartão de crédito é uma boa alternativa ou é uma armadilha para o seu caso. Para tirar suas dúvidas, siga a leitura do artigo abaixo!

Como funciona o sistema de parcelamento do cartão de crédito?

Um engano comum em relação ao sistema de parcelamento do cartão de crédito é achar que se trata da mesma coisa que o crédito rotativo. Na verdade, são sistemas diferentes.

O crédito rotativo é aquele em que pagamos apenas o valor mínimo da fatura do cartão e o restante vai para o mês seguinte, com a incidência de juros. Até 2017, era possível repetir o procedimento indefinidamente. No entanto, após a aprovação das novas regras do rotativo, esse cenário mudou.

Agora, o consumidor só pode usar o rotativo uma vez. Se, no mês seguinte, ele não conseguir pagar a dívida do mês anterior, então o banco deve oferecer uma linha de crédito para o parcelamento do cartão. Essa mudança tem como objetivo evitar o efeito bola de neve, que levava muita gente a contrair dívidas enormes.

O parcelamento do cartão de crédito é, portanto, uma linha de crédito destinada a dividir o pagamento dessa dívida em parcelas fixas, sem crescimento do débito mês a mês. Cada banco tem as suas regras específicas. No entanto, as taxas de juros são mais baixas do que do rotativo e de outras operações. Além disso, o parcelamento só pode ir em até 2 anos.

Quando o parcelamento é indicado?

Agora que já entendemos que o parcelamento do cartão de crédito é diferente do rotativo, podemos compreender que existem algumas situações em que é vantajoso optar por ele. Veja a seguir algumas delas!

Quando conseguir uma negociação especial com o banco

Pelas novas regras do rotativo, o banco é obrigado a oferecer uma linha de crédito ao cliente depois de ele pagar o mínimo do cartão um mês. No entanto, o consumidor não é obrigado a aceitar a primeira proposta.

Portanto, é permitido negociar e tentar chegar a um bom acordo com o banco para o parcelamento do cartão. Caso você seja bem-sucedido na negociação e consiga algumas condições favoráveis, como juros baixos, então pode valer a pena parcelar a dívida.

Quando tiver convicção de que não vai mais usar o cartão

Se você tem a convicção de que não vai mais usar o cartão nos próximos meses ou sabe que os seus gastos com ele vão diminuir bastante, então pode ser que valha a pena usar o parcelamento.

Isso normalmente acontece após meses de gastos mais altos, como com as compras de Natal ou as obrigações de janeiro. Nesse sentido, se você sabe que já passou pela situação atípica e a perspectiva é que as contas diminuam nos próximos meses, então o parcelamento não vai gerar o efeito bola de neve.

Quando tiver certeza sobre quanto poderá pagar por mês

Às vezes você sabe que as suas contas não vão diminuir, mas entende que o problema que fez com que não fosse possível pagar a fatura completa nesse mês foi uma situação atípica. Assim, nos próximos meses, você compreende que terá um determinado valor sobrando e poderá quitar essa dívida parcelada.

Nesse caso, vale a pena optar pelo parcelamento por ser uma opção fácil de seguir. Além disso, uma das características dessa alternativa é que as parcelas são fixas, então isso facilita o seu planejamento.

Quando ele pode ter consequências negativas?

Apesar de haver algumas situações em que o parcelamento do cartão de crédito é uma boa solução, nem sempre é assim. Em alguns casos, o recurso pode ser uma armadilha. Isso porque, apesar de ter juros menores do que os do rotativo do cartão, o parcelamento ainda assim tem juros médios acima do padrão de outras linhas de crédito.

Além disso, se não houver uma boa organização financeira, as parcelas de uma dívida podem se acumular com o gasto desordenado do cartão e gerar um efeito bola de neve.

Imagine, por exemplo, que você ficou sem pagar R$2.000,00 no cartão em um mês. Depois de um acordo com o banco, ficou acordado que você pagaria essa dívida em prestações de R$200,00.

No entanto, se o seu cartão continuar descontrolado, no mês seguinte você voltará a ficar inadimplente. Dessa vez, em R$1.500,00. Depois de novo acordo, você pagará tudo em parcelas de R$150,00. Já são R$350,00 em dívidas.

No mês seguinte, tudo se repete. Quando o consumidor percebe, está com financiamentos empilhados e não consegue mais dar conta.

Qual a solução?

Nesses casos, o melhor é buscar por uma linha de empréstimo pessoal com o seu banco de confiança, já que essa linha de crédito costuma ter juros menores.

Isso acontece porque os juros do empréstimo pessoal costumam seguir a oscilação da Taxa Selic, além de ter um risco menor para o banco. Já os juros do parcelamento são naturalmente mais altos, pois partem do princípio que o consumidor já não pagou a conta uma vez.

Como se planejar para pagar a fatura integral do cartão de crédito?

parcelamento do cartão de crédito

Em relação ao parcelamento do cartão de crédito, qualquer alternativa, como o empréstimo pessoal, é apenas um paliativo. A melhor solução é sempre a prevenção. Ou seja: se planejar adequadamente para pagar a fatura integral do cartão para evitar esse problema em primeiro lugar.

Isso pode ser feito por via de uma boa organização financeira e um controle de gastos.

Comece seu planejamento listando aquelas despesas essenciais para a sua vida e que devem ter prioridade no seu orçamento. Depois de organizar os gastos essenciais para a sua vida, separe uma parte do seu orçamento para sua carteira de investimentos.

O ideal é sempre fazer novos aportes nas suas aplicações para conquistar uma estabilidade financeira no futuro.

Em seguida, veja quais são os seus gastos no cartão e quais deles podem ser cortados sem prejuízo na sua qualidade de vida. A ideia é diminuir a fatura a um ponto que caiba no que sobrou do seu orçamento sem riscos de você ficar sem pagá-la.

A maneira ideal de lidar com o parcelamento do cartão de crédito é evitar estar na posição de ter de decidir por ele ou uma alternativa. Agora que você já sabe mais sobre esse sistema, tem mais condições de gerenciar a sua vida financeira.

Se você quer evitar ao máximo ter de parcelar a fatura do cartão de crédito, a melhor opção é ter uma boa reserva de emergência. Quer saber como criar uma? Então leia agora mesmo o nosso guia sobre o tema!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.