taxa de rebate

Taxa de rebate: entenda o que é e como é calculada

Se você acompanha o jornal econômico e as notícias de investimentos, provavelmente ouviu falar bastante em taxa de rebate no segundo semestre do ano passado. Isso porque o assunto veio à tona após algumas campanhas publicitárias e muita discussão nas redes sociais.

Na ocasião, foi muito discutida a ética da cobrança do rebate financeiro e como ele poderia afetar os investimentos de quem aplica seu dinheiro com o apoio de corretoras ou bancos. No entanto, se você não acompanhou o debate, não tem problema!

Neste artigo, discutiremos tudo que você precisa saber sobre a taxa de rebate, como ela funciona e de que maneira ela afeta os seus investimentos. Pronto para aprender mais? Então, siga a leitura abaixo!

O que é a taxa de rebate?

A taxa de rebate, também chamada de rebate financeiro, é a remuneração paga a intermediários (agentes de investimento autônomos e gerentes) responsáveis pela negociação de certos tipos de aplicações no mercado financeiro.

Na prática, o pagamento é feito pela instituição que contrata o trabalho dos profissionais, mas esse valor é sempre embutido nas taxas que o investidor paga.

Por exemplo, suponha que você comprou a cota de um Fundo de Investimento de Renda Fixa que o agente da sua corretora recomendou. Esse Fundo tem uma taxa de administração de, digamos, 2% ao ano. Desses 2%, algo como 0,35% (equivalente a cada cota) pode ir para o agente de investimentos que intermediou a negociação. Essa seria a taxa de rebate.

A remuneração é destinada a pagar pelos serviços dos intermediários que recomendam as posições para os investidores. Normalmente, ela é descontada da própria taxa de administração da empresa, então o investidor não “paga nada”, mas é um custo que está embutido ali, por assim dizer.

Um dos dilemas em relação ao rebate financeiro é justamente o fato de que esse custo não é apresentado ao investidor em grande parte dos casos. Isso abre, em tese, um conflito de interesses: afinal, o agente recomenda uma aplicação porque é a melhor para o investidor ou porque é a que paga o melhor rebate?

Como a taxa de rebate funciona?

taxa de rebate

A taxa de rebate não é muito comentada no mercado financeiro. Isso porque, na teoria, é uma remuneração que é acordada entre as corretoras, bancos e os intermediários. Assim, não é algo normalmente comunicado aos investidores.

No geral, a taxa é uma porcentagem específica do lucro que o investidor obtém em uma aplicação. Como você já sabe, um valor pequeno dessa rentabilidade fica com a corretora ou banco a título de taxa de administração. Alguns investimentos não contam com essa taxa (por exemplo, o banco ABC Brasil não cobra taxa de administração de nenhum dos seus investimentos de Renda Fixa), mas outros, sim.

Uma parcela dessa porcentagem é destinada ao agente que intermediou o negócio. Assim, ele é remunerado pela aplicação que vendeu ao investidor.

Apesar de cada corretora ou banco pagar um valor específico de taxa de rebate aos seus agentes intermediários, normalmente esse valor gira em torno de 15% a 35% da taxa de administração. Depende de cada modelo de negócio e de cada tipo de aplicação que a empresa quer estimular.

Por exemplo, vamos supor que um investidor tenha comprado o equivalente a R$ 15.000,00 em cotas de um Fundo de Investimento. Só para facilitar nossa conta, isso foi o equivalente a 100 cotas de R$ 150,00.

No final do ano, essa aplicação rendeu 30%, um ótimo resultado. Em outras palavras, os R$ 15.000,00 se transformaram em R$ 19.500,00 (vamos ignorar os impostos para facilitar).

A empresa que gerencia o fundo cobra uma taxa de administração de 2% ao ano. Ou seja, R$ 390,00. Desses 2 pontos percentuais de administração, 20% são o rebate financeiro. Isso dá R$ 78,00.

Quais investimentos têm incidência do rebate financeiro?

Depende muito de cada corretora ou banco. Existem empresas do mercado financeiro que simplesmente não trabalham com rebate e sim com outros modelos de remuneração, como o sistema Fee-based. Nesse método, a instituição é remunerada com uma taxa específica em cima da carteira do cliente, independentemente da aplicação feita.

Já as empresas que trabalham no modelo Commission-based são aquelas que pagam por negociação feita pelos agentes intermediadores. Nesse caso, há incidência da taxa de rebate.

No entanto, nem toda aplicação recebe essa cobrança. O rebate incide apenas nos investimentos em que há a taxa de administração, nomeadamente em Fundos de Investimento de diversos tipos, como os de Ação, Imobiliários, Multimercado e Renda Fixa.

Como considerar o rebate financeiro em seus investimentos?

Antes de decidir investir no mercado financeiro seguindo a recomendação do agente de uma corretora, é importante parar para refletir bem sobre o assunto. Afinal, há um dilema de conflito de interesses óbvio aqui.

Imagine um investidor de perfil moderado, porém com maior tendência para o conservador. Ele até aceita alguns tipos de riscos em sua carteira, mas prefere sempre uma opção mais segura, confiável. Abre mão de um ganho potencial maior por um pouco mais de segurança.

Caso um agente fosse recomendar um Fundo de Investimento para ele, provavelmente seria um de Renda Fixa ou Imobiliário, que tendem a ser um pouco mais seguros.

Ele não recomendaria (novamente, em tese) um Fundo de Ações ou um focado em criptomoedas, que são mais voláteis, arriscados.

No entanto, o que acontece se a corretora estipular que a taxa de rebate para o Fundo de Ações é de 35%, mas para o de Renda Fixa é de 15%? Será que o agente continuaria recomendando a aplicação mais indicada para o cliente ou ele “empurraria” a que é mais lucrativa para ele?

Esse é um dilema que foi muito discutido nos últimos anos e que se deve ter em mente na hora de investir no mercado financeiro. Por isso, é importante conhecer bem os parceiros com os quais aplicar seu dinheiro e entender cada custo e oportunidade antes de decidir seguir uma recomendação.

Isso sem falar, claro, em calcular o impacto que a taxa de administração (e o rebate) terão em seus ganhos e no seu investimento em geral. Faça as contas para ver se aquela opção é realmente a mais vantajosa para você.

Pronto! Viu como foi fácil (e importante!) entender sobre a taxa de rebate? Agora que você já sabe como funciona essa cobrança, pode calcular melhor as suas oportunidades de investimento. Principalmente, decidir entre colocar ou não seu dinheiro em aplicações que têm taxa de administração.

Gostou do conteúdo? Que tal receber mais dicas como essa na sua caixa de entrada? Então assine a newsletter do banco ABC Brasil agora mesmo!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.