taxa Selic

Tudo que você precisa saber sobre a taxa Selic

Na TV, no rádio, no jornal, nas faculdades e até mesmo nas redes sociais: em algum momento, todo mundo vai falar sobre a famigerada taxa Selic. Mas você por acaso faz alguma ideia do que ela é e como influencia a economia brasileira?

Principalmente se pretende aplicar seu dinheiro em investimentos de renda fixa, existem alguns termos do glossário econômico que você não pode deixar de saber. Um deles é justamente a taxa Selic, figurinha carimbada nas aplicações que ainda exerce um imenso poder no consumo dos brasileiros.

Quer saber como isso é possível, do que se trata, em que pontos influencia e muito mais? Acompanhe os próximos tópicos para conferir as principais informações que precisa ter em mente desde já sobre a Selic!

O que é a taxa Selic?

Antes de mais nada, devemos esclarecer que Selic é sigla para Sistema Especial de Liquidação e Custódia. Trata-se do indicador que mede a taxa básica de juros aplicada no nosso país. Criada em 24 de junho de 1996 pelo Banco Central do Brasil, até hoje é um dos indicadores mais importantes da nossa economia.

De maneira geral, a taxa Selic é uma média ajustada das taxas cobradas pelas instituições financeiras e, consequentemente, garantida por títulos públicos. Em outras palavras, podemos dizer que essa taxa serve como parâmetro para os bancos negociarem entre si, de modo a haver uma espécie de garantia no mercado interbancário.

Embora a fórmula de cálculo seja bem complexa, não é preciso se preocupar com essa questão quanto aos seus investimentos, pois quem estabelece as metas da Selic e cuida de todos os pormenores a ela ligados é o Comitê de Políticas Monetárias (COPOM)

Fora isso, já vale ressaltar que existem 2 tipos relacionados a essa taxa: Over e Meta.

Selic Over x Selic Meta

Levando em consideração que todo governo precisa arrecadar recursos financeiros para suprir as carências sociais e econômicas do país, esse dinheiro tem que vir de algum meio, certo? Na prática, isso se dá por 2 formas: arrecadação de tributos e empréstimos. 

Uma das maneiras mais comuns de o governo conseguir dinheiro emprestado é mediante títulos de dívidas do Tesouro Nacional, comprados pelos bancos. Com o propósito de controlar um possível excesso de dinheiro e evitar uma inflação não programada, as instituições financeiras devem depositar parte de seus rendimentos em uma conta do Banco Central. 

Dito isso, fica mais fácil assimilarmos as diferenças entre Selic Over e Selic Meta, que apresentam significados distintos nem sempre muito conhecidos.

Over faz referência ao termo overnight (durante a noite), referindo-se ao fato de os empréstimos concedidos entre os bancos serem de curtíssimo prazo, apenas para assegurar que as instituições cumpram as regras de acúmulo de capital. No entanto, mesmo a taxa real sendo o Over, os investidores só têm acesso à Selic Meta, que norteia as melhores práticas de juros e, com isso, influencia a economia do país.

Qual é o impacto da Selic na economia do país?

Apesar de ouvirmos falar bastante sobre a taxa Selic na TV, nem sempre nos ligamos quanto à sua importância de fato. Como, afinal, ela pode modificar os cenários político, social e econômico? 

De forma prática, entenda que, ao abaixar a meta da Selic, o Banco Central diminui a rentabilidade dos títulos públicos. A partir daí, os custos de captação de recursos dos bancos também mudam. Isso acaba gerando um efeito dominó. 

Os bancos tendem a emprestar dinheiro para a população a juros menores, algo que reflete também em financiamentos, cartões de crédito, consórcios e assim por diante. A tendência é estimular o consumo das pessoas, aumentando a inflação gradativamente e favorecendo o surgimento de novos empregos — afinal, as empresas precisarão de mão de obra para dar conta da demanda.

Perceba que a Selic é o mecanismo pelo qual o governo equilibra a economia, de modo a fazer com que a inflação atual não alcance um patamar astronômico — como aconteceu na época dos planos Cruzado, Bresser e Collor. 

É importante ressaltar ainda que a queda da taxa básica também fomenta os mercados imobiliário e automobilístico, pois os consumidores terão acesso a preços mais em conta por causa do ajuste dos juros.

Como a Selic influencia os investimentos?

Da mesma forma que a taxa Selic movimenta a economia em relação ao aumento do consumo e à diminuição do desemprego, os investimentos também são afetados direta e indiretamente por ela. 

A primeira situação a observar diz respeito ao benchmarking entre os bancos, cujo nome empregado é Certificado de Depósito Interbancário (CDI), que caminha próximo ao valor da Selic — a diferença é mínima, de 0,10%. O CDI é tido como referência para as Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio (LCIs e LCAs), além do Certificado de Depósito Bancário (CDB). Quando a Selic baixa, naturalmente o CDI também cai, o que mexe com a intenção dos investidores em focar na renda fixa, levando-os a arriscar seus recursos financeiros em ações e fundos de investimentos, por exemplo.

No caso da caderneta de poupança, há mais variáveis envolvidas. Se a taxa Selic apresentar um percentual acima de 8,5% ao ano, o rendimento da poupança será de 0,5% ao mês + a Taxa Referencial (TR). No entanto, se o índice estiver abaixo de 8,5%, o rendimento será equivalente a 70% da Selic. 

E é claro que não podemos deixar de ao menos mencionar o Tesouro Selic, dívida pública que leva esse nome justamente por utilizar a taxa básica como indexador pós-fixado.

Como é possível ganhar acima da Selic atualmente?

Com a meta da taxa básica de juros a 5% ao ano, os investidores logicamente buscarão novos caminhos para aplicar seu dinheiro a fim de obter ganhos realmente relevantes. 

Entenda: receber o equivalente à taxa Selic não significa necessariamente que seja o investimento dos sonhos. Por isso, é importante pesquisar bastante, levando outras opções com rentabilidades melhores em conta.

Dentro das alternativas de títulos públicos, por exemplo, escolher o Tesouro prefixado ou o Tesouro atrelado à inflação pode ser excelente, tendo em vista que os percentuais apresentados serão maiores que a Selic. LCI, LCA e debêntures incentivadas também são ótimas possibilidades, pois permitem que você aplique seu dinheiro em renda fixa sem Imposto de Renda.

Quanto ao mercado de capitais negociados na bolsa de valores, o investimento em renda variável tende a ser sedutor daqui em diante, especialmente pelo crescimento constante de muitas empresas — como Magazine Luiza, Localiza, Suzano, Itaúsa e outras. Mesmo assim, é essencial acompanhar o noticiário financeiro para entender em quais ações é vantajoso investir naquele momento e quando exatamente você deve comprar ou vender.

Por fim, fica a reflexão de que a taxa Selic definitivamente não é um bicho-papão como alguns podem pensar. Como você viu, aliás, tampouco se trata de assunto complexo demais para entender. Na realidade, a Selic nada mais é que uma ferramenta econômica fundamental para fazer as engrenagens do país se movimentarem.

Gostou tanto do que leu que quer ficar de olho nas novidades postadas daqui para frente? Então aproveite para seguir nosso perfil nas redes sociais! Estamos no Facebook, LinkedIn, Instagram e YouTube!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

1 Comentário

    Awesome post! Keep up the great work! 🙂

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.